Acusado de assédio, advogado-chefe deixa Alphabet

David Drummond, advogado-chefe da Alphabet (conglomerado que controla o Google), está deixando a empresa.

O movimento ocorre dois meses após o conselho da Alphabet abrir uma investigação interna sobre casos de assédio sexual na companhia.

Após os protestos de funcionários contra casos deste tipo, em 2018, Drummond virou uma espécie de símbolo de altos executivos que permaneciam em seus cargos mesmo com acusações de assédio.

A situação de Drummond piorou em agosto do ano passado, quando Jennifer Blakely, ex-funcionária da área jurídica do Google, revelou ter tido um caso extraconjugal de anos com o executivo, inclusive tendo um filho dele.

Em longo post no Medium, Jennifer alega ter sido transferida contra sua vontade da área jurídica do Google após o caso ter sido revelado dentro da empresa.

Ela afirma ainda que Drummond manteve relações amorosas com várias outras funcionárias de sua área.

Drummond entrou para o Google em 2002 e era um dos mais antigos funcionários de alto escalão da empresa.

Ao contrário de Andy Rubin, outro executivo que deixou o Google acusado de assédio, Drummond não ganhou um bônus ao deixar a empresa.

No entanto, ele ganhou cerca de US$ 220 milhões ao vender boa parte de suas ações da Alphabet no fim do ano passado.