Após masssacre de Pittsburgh, rival do Twitter é fechado

O Gab, serviço similar ao Twitter, foi fechado ontem após um de seus usuários ter sido o responsável pelo massacre em uma sinagoga de Pittsburgh. A tragédia deixou 11 mortos.

A polícia descobriu que Robert Bowers, autor do massacre, tinha uma conta no Gab.

Nela, Bowers divulgava conteúdo de ódio contra judeus e promovia a supremacia da raça branca.

Após a divulgação, empresas como Google, Microsoft, GoDaddy e Paypal cortaram os serviços necessários para o funcionamento do site.

O Gab vinha ganhando usuários nos últimos meses, promovendo-se como uma “alternativa sem censura” ao Twitter.

O serviço ganhava popularidade principalmente entre ativistas de extrema-direita dos EUA, que vinham sendo alvo de bloqueios no Twitter e em outras redes sociais.

Na home page do Gab, o CEO Andrew Torba defende o serviço com base na liberdade de expressão.

Ele diz ainda que o Gab deve voltar em breve, em novos servidores.