CEO do Google pede desculpas por saída de pesquisadora negra

Após dias de polêmica envolvendo a saída da pesquisadora Timnit Gebru do Google, o CEO da empresa, Sundar Pichai, resolveu se manifestar.

Em comunicado interno, ele pediu desculpas pelo modo como a saída ocorreu, mas negou que o Google tenha demitido Gebru, atribuindo a saída a uma decisão da pesquisadora.

A história toda começou há três dias, quando Gebru disse ter sido demitida do Google após uma polêmica sobre um artigo científico.

Segundo a pesquisadora, o Google teria proibido que ela assinasse um artigo sobre possíveis problemas técnicos e éticos de sistemas de processamento de linguagem em grande escala.

Este tipo de sistema, claro, é parte central das atividades do Google, que analisa quantidades gigantescas de páginas web para as mais diversas tarefas.

Contrariada com a atitude da empresa, Gebru teria dito que deixaria o Google caso a proibição não fosse esclarecida. Segundo Gebru, o Google interpretou o questionamento como um pedido de demissão.

Após a saída de Gebru, uma carta aberta pedindo explicações do Google foi assinada por pesquisadores e funcionários do Google.

Em sua resposta, Sundar Pichai mencionou a necessidade de melhorias nos processos do Google. Mas não classificou a saída como uma demissão.

“Precisamos aceitar o fato de que uma pesquisadora respeitada, talentosa e negra deixou o Google insatisfeita”, disse Pichai, que prometeu ainda uma investigação mais detalhada sobre os fatos que geraram a saída