CEO do Parler é demitido

Cofundador e CEO do Parler, John Matze divulgou ontem que foi demitido pelo conselho da empresa.

Segundo ele, a demissão aconteceu por divergências com Rebekah Mercer – ativista republicana e uma das financiadoras da empresa – sobre moderação de conteúdo na plataforma.

Matze disse que defendeu que o Parler adotasse um nível mínimo de moderação para assuntos relacionados a terrorismo, supremacia branca e grupos de extrema direita.

“Só recebi silêncio”, afirmou.

De acordo com Matze, o grupo de investidores conservadores do site quer manter a política “cada um fala o que quer” do serviço.

Foi esta política, no entanto, que levou o Parler a ser banido das lojas do Google e da Apple, além de ter sua hospedagem cortada pela Amazon.

Para quem não se lembra, tudo isso ocorreu dias depois da invasão do Capitólio em Washington, no início de janeiro.

Desde o ano passado, o Parler se tornou o “refúgio” da extrema-direita nos EUA, à medida que outras redes sociais impunham restrições ao conteúdo publicado pelos apoiadores do presidente Donald Trump.

Desde o bloqueio da Amazon, o Parler está fora do ar. Há poucas semanas o site voltou a funcionar, mas apenas com uma página de boas-vindas.