Dorsey é líder ausente, dizem funcionários do Twitter

Em longa reportagem, o Wall Street Journal traz um perfil do estilo de gestão de Jack Dorsey, CEO do Twitter e também da Square, empresa de pagamentos digitais.

Segundo atuais e ex-funcionários das empresas, Dorsey exagera no quesito delegar funções, e deixa de participar de decisões críticas para as empresas.

Foi assim recentemente no caso do bloqueio da matéria do NY Post sobre o filho de Joe Biden.

Segundo fontes do WSJ, Dorsey não foi envolvido na decisão do bloqueio e soube apenas depois do ocorrido.

Horas depois, o Twitter voltou atrás e Jack publicou um tuíte classificando o bloqueio como “inaceitável”.

Tô nem aí

Este é apenas um exemplo mais recente do “estilo Jack” de ser.

Ao WSJ, fontes classificam o executivo como uma pessoa apaixonada pelo que faz, principalmente pela parte mais “conceitual” que envolve as relações sociais e as plataformas tecnológicas.

Por outro lado, muitos dizem que ele não se interessa pelos problemas do dia a dia do Twitter.

De jeitão zen, Dorsey diz tomar vários banhos de gelo diariamente, anda quilômetros entre sua casa e os escritórios do Twitter e chegou a passar 10 dias em completo silêncio em um retiro espiritual.

No ano passado, chegou a dizer que se mudaria para a África e trabalharia de lá, mas mudou de ideia após pressão de investidores do Twitter.

Ao lado de Mark Zuckerberg e Sundar Pichai, Dorsey deporá hoje no Congresso dos EUA sobre as práticas de moderação de conteúdo de sua empresa.