Em carta a Zuckerberg, moderadores do Facebook reclamam de condições de trabalho

Um grupo de cerca de 200 moderadores de conteúdo do Facebook escreveu uma carta aberta para Mark Zuckerberg e também para executivos da Accenture e CPL.

Na carta, eles pedem melhores condições de trabalho e criticam as atuais práticas do Facebook em relação a seus moderadores.

Os moderadores – que trabalham na Irlanda, Polônia, Alemanha e EUA – alegam que sua saúde está sendo posta em risco para atender os objeticos de negócio do Facebook.

Muitos deles não trabalham de casa e estão expostos ao coronavírus, em um momento em que vários países registram aumento no número de casos.

“Sem nosso trabalho, o Facebook é inútil. Seus algoritmos não reconhecem ironia, não conseguem separar jornalismo de desinformação, nem responder rapidamente a conteúdo de abuso infantil ou automutilação. Nós conseguimos”, diz o texto.

Como já comentamos por aqui, os moderadores do Facebook são terceirizados e contratados por meio de empresas como a Accenture e a CPL.

Por isso, eles não têm os mesmos benefícios dos funcionários do FB, que já trabalham de home office desde o início da pandemia.

Em comunicado, o Facebook defendeu suas atuais regras e disse que já fornece auxílio na área de saúde e acompanhamento psicólogico. A empresa afirmou ainda que a maioria dos 15 mil moderadores já trabalha de forma remota.