EUA querem estimular produção interna de chips

Democratas e republicanos estão tradicionalmente em campos opostos na política, mas concordam em uma coisa: a ameaça chinesa à supremacia tecnológica dos Estados Unidos.

Ontem, deputados dos dois partidos apresentaram um projeto de lei que visa estimular a fabricação de chips nos EUA.

O projeto prevê a criação de um fundo de US$ 23 bilhões para implementação de fábricas e capacitação de mão de obra.

Para os legisladores, a produção interna de chips é fundamental para a inovação no país, principalmente em um cenário de tensão comercial e política com a China.

O projeto de lei deve ser votado nos próximos três meses.

Empresas americanas como Intel e Qualcomm lideram há décadas toda a parte de design dos chips – ou seja, basicamente a parte intelectual do processo -, mas cada vez mais têm recorrido a companhias estrangeiras para a fabricação dos processadores.

Segundo o NY Times, apenas 12% da produção global de chips é feita nos EUA. O resto fica principalmente na Ásia, em países como Coreia, Taiwan e China.

Como já amplamente comentado por aqui, o governo americano recentemente bloqueou o acesso da Huawei à cadeia internacional de produção de chips, a fim de impedir que a empresa aumente sua presença global no setor de telecom.