Ex-funcionário do Google admite ter roubado informações da empresa

Anthony Levandowski, engenheiro que ajudou a criar a divisão de carros autônomos do Google, declarou-se culpado por roubar dados confidenciais da empresa.

Ao todo, ele era réu de 33 acusações de roubo de propriedade intelectual. Em um acordo com as autoridades, o engenheiro declarou-se culpado por uma das acusações, em troca da anulação das outras.

O acordo prevê que Levandowski pode pegar até 10 anos de prisão e uma multa máxima de US$ 250, mas ainda não há data para a sentença.

Como já comentado por aqui, Levandowski esteve no centro de um conflito entre o Google e o Uber, ao deixar a primeira e levar para a segunda companhia informações confidenciais sobre projetos de veículos autônomos.

Levandowski deixou o Google em 2016 após fundar a divisão de carros autônomos da empresa. Depois de deixar a companhia, ele fundou uma startup que foi logo comprada pelo Uber, por cerca de US$ 700 milhões.

A Alphabet – conglomerado que controla o Google – processou o Uber, acusando a empresa de roubo de dados. As empresas chegaram a um acordo, pelo qual o Uber fechou a startup de Levandowski, demitiu o funcionário e pagou à Alphabet um valor em ações.

Os processos contra Levandowski, no entanto, continuaram e, há algumas semanas, em outro processo, ele foi condenado a pagar US$ 176 milhões para a Alphabet.