Facebook ignorou estudo interno sobre polarização

Em longa reportagem, o Wall Street Journal revela que o alto escalão do Facebook ignorou estudos internos sobre a polarização política na rede social.

A matéria diz ainda que os executivos minaram outras iniciativas para reduzir o alcance de conteúdos que causavam divisão entre os usuários.

Segundo o WSJ, em 2018, um time de pesquisadores do Facebook apresentou para a alta cúpula da empresa o resultado de um estudo feito com dados dos usuários da rede social.

“Nossos algoritmos exploram a atração humana pela divisão. Se não controlarmos isso, o Facebook vai exibir cada vez mais conteúdo divisivo a fim de ganhar atenção dos usuários e aumentar o engajamento na rede social”, dizia um slide da apresentação

Para tentar resolver – ou pelo menos minizar – o problema, os pesquisadores sugeriam, entre outras medidas, reduzir o alcance de posts de usuários com atividade acima da média em questões políticas – tanto à direita quanto à esquerda.

De todo modo, as soluções exigiriam que o Facebook privilegiasse “a questão moral” e reduzisse o foco no crescimento e engajamento.

As ideias, porém, foram ignoradas pela alta cúpula do Facebook, diz a reportagem.

Com seus projetos constantemente barrados, muitos líderes do time de pesquisa deixaram o Facebook. A saída mais significativa, sem dúvida, foi a de Chris Cox – cofundador do Facebook e braço-direito de Mark Zuckerberg.

Foi Cox quem montou o time de pesquisa e, segundo a reportagem, batalhou para implementar medidas que reduzissem a polarização na rede.

Ele deixou o Facebook em março do ano passado.