Facebook teria demitido executivo por apoiar Trump, diz WSJ

Reportagem publicada no Wall Street Journal diz que o Facebook teria demitido um executivo devido a seu apoio a Donald Trump.

E o executivo em questão não era qualquer um.

Trata-se de Palmer Luckey, fundador da startup Oculus, comprada pelo Facebook em 2014.

Em setembro de 2016, foi revelado que Luckey doou US$ 10 mil a um site que fazia memes contra Hillary Clinton.

Seis meses depois, ele deixou o Facebook.

O WSJ afirma que Mark Zuckerberg teria pressionado o executivo a apoiar o candidato Gary Johnson, do Partido Libertário, apesar da conhecida preferência de Luckey por Trump.

Ainda segundo o WSJ, após a demissão, Luckey teria contratado advogados e argumentado que o Facebook violou a lei ao demiti-lo por razões políticas.

Luckey e Facebook então teriam fechado um acordo de US$ 100 milhões em favor do executivo.

O Facebook negou as informações da reportagem e afirmou que a saída de Luckey não foi por motivos políticos.

Pioneira em óculos de realidade virtual, a Oculus foi comprada pelo Facebook por US$ 3 bilhões em 2014.

Palmer então se tornou funcionário do Facebook, mantendo-se à frente da divisão Oculus até 2017, quando deixou a empresa.