Google joga duro com sites de notícias franceses

O Google anunciou ontem que não vai pagar a sites de notícias franceses para poder incluir suas matérias nos resultados do buscador.

A empresa vai apenas alterar a forma como mostra o conteúdo de sites jornalísticos nos resultados da busca, a fim de cumprir a nova lei de copyright europeia.

A decisão foi um baque para empresas de conteúdo locais, que esperavam obter alguma receita do Google por conta das novas regras de copyright.

A França é o primeiro país a colocar em prática a nova lei, aprovada no Parlamento Europeu em março.

Com a nova lei, em tese, o Google teria que obter a aprovação de sites noticiosos para usar seu conteúdo na busca e no Google News.

O Google, no entanto, decidiu apenas alterar a forma como mostra as notícias, exibindo apenas título e link.

Para a empresa, essas alterações são suficientes para cumprir as novas regras.

O episódio é apenas o primeiro de uma longa batalha que deve se repetir à medida que outros países europeus adotem a nova lei.

De um lado, empresas de jornalismo, editoras de livros e selos musicais há anos se queixam que empresas como o Google ganham dinheiro usando conteúdo alheio e não recompensam os produtores de conteúdo.

De outro, empresas de tecnologia e ativistas digitais consideram que a nova lei restringe o funcionamento da internet e prejudica pesquisas acadêmicas e outros serviços.