Hackers russos são indiciados nos EUA

Autoridades americanas indiciaram ontem seis hackers russos por criarem o vírus NotPetya, e outros crimes digitais.

Um dos vírus mais destrutivos da história, o NotPetya paralisou dezenas de empresas e órgãos públicos em vários países do mundo em 2017.

Entre os atingidos pelo vírus estavam hospitais, indústrias farmacêuticas, empresas de transporte como a FedEx e companhias de infraestrutura. O governo americano calcula que o vírus tenha causado prejuízo de US$ 1 bilhão.

From Russia without love

Além do caso NotPetya, os russos teriam também participação no ataque ao setor elétrico da Ucrânia. No fim de 2015, um ataque cibernético a empresas do setor deixou centenas de milhares de ucranianos sem luz.

Eles também teriam agido contra apoiadores do presidente francês Emanuelle Macron e atuado para roubar dados de autoridades sul-coreanas durante as Olimpíadas de Inverno de 2018.

De acordo com o FBI, os seis hackers fazem parte de um grupo que age sob a orientação de órgãos de Inteligência do governo russo.

Na prática, o indicamento tem pouco efeito prático, já que os acusados estão na Rússia e é pouco provável que saiam de lá.

O processo, porém, representa mais um fator na crescente tensão política entre EUA e Rússia.