Itamaraty emite comunicado de apoio a “5G sem Huawei” dos EUA

O governo brasileiro ontem sinalizou seu apoio à iniciativa Clean Network, proposta do governo dos EUA para evitar que empresas supostamente envolvidas com o governo da China participem da infraestrutura das redes globais de 5G.

O apoio veio na forma de um comunicado do Ministério das Relações Exteriores emitido durante a vista de Keith Krach, representante do governo dos EUA que tem articulado as negociações com o Brasil.

Em sua visita, Krach voltou a repetir que os EUA acreditam que a Huawei é uma ameaça a segurança nacional e não pode participar de licitações de redes 5G.

Segundo o governo dos EUA, quase 50 países, 170 empresas de telefonia e muitas das maiores companhias do mundo já se filiaram à Clean Network.

A nota emitida pelo MRE tem caráter simbólico e não formaliza um bloqueio da Huawei no País. Mas é mais um indício de que as autoridades brasileiras estariam inclinadas a incluir algum tipo de restrição à companhia, ou até mesmo proibir completamente sua participação no 5G do País.

Do outro lado da questão, as empresas nacionais de telecom testam equipamentos da Huawei antes do leilão das frequências do 5G, que ocorrerá no ano que vem.

As empresas não aceitaram um convite da embaixada dos EUA para se encontrarem com Krach porque o convite “não é compatível com as escolhas de livre mercado”, disseram fontes da Reuters.