Pandemia ‘ressuscita’ tablets

Quem disse que o tablet já era? Depois do boom inicial com o primeiro iPad, essa categoria ficou meio ‘perdida’ e muitos fabricantes desistiram de sua fabricação.

O isolamento social causado pela pandemia, porém, ‘ressuscitou’ a categoria. Dados da Canalys mostram que a venda de tablets aumentou 26% no segundo tri deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado.

A Apple manteve a liderança da categoria, com 40% dos aparelhos vendidos, cerca de 14 milhões de aparelhos.

Ela foi seguida por Samsung (17%), Huawei (11%), Amazon (8%) e Lenovo (6%).

Todos os fabricantes tiveram crescimento anual, sendo o maior da Huawei (53%)

Segundo a Canalys, os tablets se tornaram uma alternativa interessante por serem mais baratos do que notebooks e desktops (ok, no Brasil os iPads são caros, mas há também opções mais acessíveis) e terem recursos básicos de conectividade e telas grandes.

Assim, eles se tornaram alternativas interessantes para famílias que precisam de mais um eletrônico para finalidade de lazer e educação.