Pressionada, Avast fecha subsidiária de publicidade

Ninguém mais se surpreende ao saber que a empresa X ou Y vendeu seus dados de navegação para companhias de publicidade.

Mas quando a empresa é uma fornecedora de antivírus e outros apps de segurança e privacidade, aí pega mal.

Foi o caso da Avast. A empresa decidiu fechar uma subsidiária que vendia dados dos usuários do antivírus a empresas de publicidade, após a atividade ser revelada pela imprensa.

A Jumpshot recebia dados de navegação web e busca dos usuários do antivírus Avast e os vendia para empresas de publicidade.

Os dados fornecidos eram ‘anonimizados’, ou seja, não permitiam identificar a pessoa por trás da tela. Em tese.

Porém, uma investigação da Vice e da PC Mag mostrou que era possível identificar o usuário. Um exemplo:

Um usuário X faz uma busca no Google, visita um site pornô e adiciona um iPad em um carrinho de compras da Amazon em uma determinada hora. A Jumpshot recebe essas informações do Avast e vende para outras empresas, por exemplo, a Amazon.

A princípio não parece nada demais, pois não sabemos quem é o usuário X. Mas a Amazon sabe quem comprou aquele modelo de iPad naquela hora. Assim, a Amazon cruza os dados de cadastro com os dados da Jumpshot e agora agora sabe quem é o usuário X, qual busca fez no Google e qual site pornô ele visitou.

Obviavamente, a Avast foi bombardeada por reclamações de usuários após as revelações.

Pressionada, a empresa resolveu fechar a Jumpshot e pediu desculpas aos usuários.