Seattle cria salário mínimo para motoristas de Uber

Por unanimidade, a Câmara de Vereadores de Seattle aprovou ontem uma lei que estabelece um salário mínimo para motoristas do Uber e de seu maior rival nos EUA, o Lyft.

Os detalhes de como o salário será calculado ainda dependem de regulamentação da lei, e a cidade vai encomendar um estudo independente para ajudar no processo. O salário mínimo passará a valer a partir de julho do ano que vem.

A nova lei em Seattle é mais um revés para o Uber, que enfrenta batalhas jurídicas em diversas cidades do mundo.

Em Nova Jersey, a prefeitura cobra US$ 650 milhões em impostos e estuda maior regulamentação do serviço.

Em Londres, o Uber perdeu sua licença para operar por não atender exigências de segurança na cidade.

Na Califórnia, uma lei aprovada há algumas semanas, ainda em regulamentação, exige que o Uber contrate seus motoristas como funcionários, e não como terceirizados.

No caso de Seattle, a nova lei, além de criar o salário mínimo, aumenta as taxas por corrida que as empresas devem pagar à prefeitura.