Senador dos EUA pede investigação sobre o Faceapp

Como ocorre a cada seis meses, um app engraçadinho aparece, todo mundo usa e depois descobre que seus dados pessoais estão “por aí”.

A bola da vez é o Faceapp e, nos Estados Unidos, o app começa a atrair a atenção das autoridades.

Ontem, o senador democrata americano Chuck Schumer pediu que o FBI e o FTC (órgão que regula direitos do consumidor) investiguem o FaceApp, que é mantido por uma empresa russa.

No Twitter, Schumer chamou de “muito preocupante” o fato de dados pessoais de americanos serem possivelmente enviados a uma “potência estrangeira hostil”.

Nada de novo

Os termos de uso do FaceApp não são muito diferentes dos de outros apps. O aplicativo informa que pode coletar “conteúdo do usuário (por exemplo, fotos e outros materiais) publicado no serviço”.

O aplicativo também realiza um “monitoramento” da atividade do usuário, incluindo “as páginas da Web visitadas” e sua localização.

Em sua defesa, o FaceApp diz que não tem acesso a nenhuma informação com a qual se possa identificar uma pessoa.

A empresa diz ainda que aceita solicitações de usuários que desejam que seus dados sejam removidos de seus servidores.