“Tribunal do Facebook” poderá contrariar Zuckerberg

O Facebook publicou ontem mais detalhes sobre como funcionará seu comitê de moderação de conteúdo.

O grupo de trabalho será uma espécie de “Tribunal do Facebook”, dando a palavra final sobre se um determinado tipo de conteúdo (ou algum post específico, deve ser ou não removido da plataforma).

No post, o Facebook afirma que as decisões do comitê serão finais, mesmo se alguém do Facebook discordar delas.

Isso inclui até mesmo Mark Zuckerberg, CEO e presidente do conselho, que detém poder de decisão absoluto sobre a empresa.

O comitê terá 40 membros, com mandatos de três anos e máximo de nove anos de permanência.

O Facebook selecionará inicialmente alguns integrantes, que escolherão os restantes.

O comitê será independente também financeiramente, e será financiado por um fundo fiduciário.

O comitê poderá decidir sobre assuntos levantados pelos usuários ou pelo próprio Facebook.

No caso dos usuários, será possível recorrer ao comitê para questões não resolvidas pelas atuais regras de moderação de conteúdo do Facebook.

A ideia do Facebook é que o comitê comece a funcionar no segundo semestre do ano que vem.