Trump perdoa ex-Googler que roubou informações da empresa

Ontem comentamos aqui sobre as ‘maldades’ de Donald Trump, em seu fim de mandato, contra a Huawei.

Outros, porém, foram beneficiados pela ‘generosidade’ do agora ex-presidente dos EUA.

Entre eles está Anthony Levandowski, ex-funcionário do Google condenado a 18 meses de prisão por roubar segredos industriais da empresa. Ele foi perdoado por Trump e não cumprirá sua pena.

Como já comentado por aqui, Levandowski foi um dos responsáveis por criar o negócio de carros autônomos do Google, a Waymo.

Em 2016, ele deixou o Google para criar uma startup, comprada meses depois pelo Uber.

O Google então acusou Levandowski de levar milhares de documentos confidenciais para o Uber.

No fim das contas, Google e Uber se acertaram. Mas Levandowski foi processado pelo roubo das informações.

Em agosto do ano passado, ele foi condenado a cumprir 18 meses de cadeia. Mas alegou que, por razões de saúde, estaria em grupo de risco para Covid-19. A pena foi então adiada até o fim da pandemia.

You´ve got a friend in me

Agora, com o perdão concedido por Trump, Levandowski se livrou da cadeia.

Em comunicado, o governo dos EUA informou que o perdão foi apoiado por algumas figuras conhecidas do Vale do Silício, incluindo o megainvestidor Peter Thiel e Palmer Luckey, fundador da Oculus – fabricante de óculos de Realidade Virtual comprada pelo Facebook – e da Anduril, que fornece tecnologias para uso militar.

“Em sua sentença, o juiz o classificou como ‘brilhante engenheiro de que nosso país precisa’. O sr. Levandowski pagou um preço significativo por suas ações e planeja dedicar seus talentos ao bem público”, disse ainda o texto.