UE aprova venda da FitBit para o Google

A venda do TikTok para Oracle/Walmart ainda não foi resolvida, mas uma novela bem mais longa finalmente chegou ao fim ontem.

Um ano após o anúncio do acordo, a União Europeia finalmente aprovou a venda da Fitbit para o Google.

“Aprovamos a venda pois agora temos a garantia de que o emergente mercado de wearables continuará aberto e competitivo”, disse Margrethe Vestager, chefe do grupo da UE que avaliou o negócio de US$ 2,1 bilhões.

Para que o negócio fosse aprovado, o Google teve que concordar com uma série de restrições, incluindo a de não usar dados de usuários da FitBit para alimentar sua máquina de publicidade personalizada.

O Google concordou ainda em manter ativa a API do Fitbit, o que na prática quer dizer que os acessórios da empresa continuarão a ser compatíveis com o iPhone.

Com a compra, o Google tenta engrenar em um dos poucos mercados nos quais está para trás, o de wearables.

A Apple lidera esta categoria com folga com seus relógios Apple Watch, e Xiaomi, Samsung e Huawei também tem boa presença, explorando o segmento de pulseiras mais básicas.

Nova aquisição do Google, a Fitbit é um dos nomes mais tradicionais deste mercado, mas vem perdendo terreno e hoje ocupa apenas o quinto lugar no ranking de wearables.

Já o sistema Wear OS, do Google, nem aparece no ranking.