Zuck promete lutar contra o desmembramento do Facebook

Um arquivo de áudio de duas horas obtido pelo Verge detalha uma reunião interna entre Mark Zuckerberg e funcionários do Facebook.

O áudio não traz nenhuma revelação bombástica, mas mostra Zuckerberg falando mais abertamente do que de hábito sobre vários assuntos.

Em determinado momento, Zuckerberg diz que espera uma batalha jurídica caso a senadora Elizabeth Warren seja eleita presidente dos Estados Unidos no ano que vem.

“Alguém como Elizabeth Warren, que quer desmembrar companhias. Se ela ganhar, teremos uma batalha jurídica, e aposto que vamos ganhar. De todo modo seria ruim para nós. Não quero entrar numa briga contra nosso próprio governo. Gostamos de nosso país e queremos colaborar. Mas se alguém tenta algo dessa magnitude, vamos lutar”, diz Zuck aos funcionários.

Como já comentado por aqui, Warren é pré-candidata do Partido Democrata e defende o desmbembramento de grandes empresas de tecnologia, por alegadas práticas anticompetitivas e monopolistas.

Segundo Zuckerberg, desmembrar grandes empresas de tecnologia não resolveria os atuais problemas, como interferência em eleições.

Pelo contrário, ele diz que, separadas, as empresas teriam mais dificuldades em montar ações efetivas contra conteúdo falso.

Logo após a divulgação do áudio, Warren respondeu no Twitter que “o que ‘seria ruim’ é se nós não corrigirmos um sistema corrupto que permite que empresas como Facebook usem de práticas ilegais, desrespeitem direitos do consumidor e repetidamente ignorem sua responsabilidade de proteger a democracia”.

No áudio, Zuckerberg comenta também sobre o TikTok, app social que vem se tornando febre em alguns países.

“Temos algumas estratégias. Uma é um app similar chamado Lasso, que lançamos no México. Estamos tentando chegar primeiro a países em que o TikTok ainda não é forte, antes de competir onde eles são maiores.